5 tendências globais na Saúde segundo o World Economic Forum

 

 

Segundo o Fórum Econômico Mundial (World Economic Forum), na área da saúde existem 5 grandes Tendências Globais que vão orientar o futuro da saúde no mundo, são elas:

1. Os custos com cuidados na saúde estão chegando a níveis insustentáveis.

Os custos envolvidos no cuidado à saúde ultrapassaram o crescimento econômico em uma média de 2% nos países da OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e as economias emergentes estão começando a enfrentar desafios semelhantes. Segundo informações do WEF, em 2022, até um terço de todas as despesas de saúde globais ocorrerão em economias emergentes. Esta elevação nos custos fará com que o setor passe por uma grande transformação, principalmente na forma como os stakeholders públicos e privados agem para prestar cuidados de saúde.

Uma nova abordagem baseada em soluções rápidas, visionárias e que desenvolvam parcerias entre os players de saúde permitirá criar, em especial nos países emergentes, sistemas de saúde mais focados em resultados, sustentabilidade financeira e na satisfação das pessoas.

2. A Indústria da Saúde não pode entregar saúde sozinha.

Por motivos que incluem a falta de trabalhadores qualificados e o desequilíbrio dos investimentos entre cuidados agudos de saúde, cuidados primários e cuidados domiciliares, o setor de saúde pode enfrentar limitações em particular quando se trata de prevenção da população e de customização médica para cada paciente. É este último quesito que pode permitir uma mudança radical na antes tradicional indústria da saúde, ativando o empowerment individual e o acesso a dados e informações individuais dos pacientes que permitirão a customização de serviços médicos para cada indivíduo.

De acordo com a Rock Health, um importante fundo de Seed e Venture Capital, o setor de Venture Capital investiu um recorde de  US$ 2,3 Bilhões de dólares em empresas de saúde digital no primeiro semestre de 2014. A Rock Health identificou as 6 principais tecnologias na saúde a serem financiadas: softwares para administrar o pagamento de seguros (US$211 Milhões); coleta de dados e análise de informações (US$ 196 Milhões); ferramentas para consumidores adquirirem cuidados e planos de saúde ( US$ 193 Milhões); softwares para ajudarem os provedores de saúde a acompanhar a saúde e o tratamento eficaz dos pacientes (US$162 Milhões); e softwares para adequar os tratamentos médicos às informações genéticas dos pacientes (US$150 Milhões).

3. O Smartphone se tornará uma das ferramentas mais poderosas para o acesso à Saúde.

Eles serão utilizados pelos pacientes para acessar as informações em tempo real sobre a própria saúde e terão acesso a registros médicos completos, comportamentos ligados ao estilo de vida, dieta, atividades físicas e adesão ao tratamento. Além disso, os smartphones serão um dos mais importantes instrumentos médicos para os profissionais da saúde, tanto em países de alta quanto de baixa renda.

4. A Saúde dominará as 10 principais tecnologias emergentes.

Nos últimos anos, cerca de metade das 10 melhores tecnologias emergentes elencadas pelo Fórum Econômico Mundial tem relação com a Saúde ou irá impactá-la de forma significativa, como por exemplo, as novas gerações de robótica, inteligência artificial, engenharia genética, tecnologias vestíveis (wearables), dentre outros.

5. Investir em uma vida saudável gera retorno para o governo, para as empresas e para a sociedade.

Um relatório recente do Fórum Econômico Mundial e da área de Saúde Pública da Universidade de Harvard afirma que a Índia irá perder cerca de US$ 4,58 Trilhões de dólares entre 2012 e 2030 por conta de doenças não trasmissíveis e transtornos mentais, praticamente o dobro do PIB anual indiano.

Mas a Índia não está sozinha, outros países tem problemas parecidos. A vantagem em meio a este problema é que essas perdas podem ser evitadas através de intervenções de base populacional, gerando um retorno promissor sobre o investimento (ROI) tanto para governo quanto para empresas e sociedade.

A prevenção é uma das melhores intervenções para melhorar a saúde populacional. Segundo o mesmo Fórum que analisou seis formas de intervenção voltadas a prevenção de doenças não transmissíveis e seus respectivos ROIs (Return on Investment), os mesmos apontaram retornos que variaram entre 90% e 3700%. Além de significativos resultados em questões econômicas, o maior bem de todos é o impacto positivo na saúde e na qualidade de vida da população.

 

 Blog Empreendedorismo e Startups por Gustavo Comitre

Planos de saúde privados perdem 164 mil clientes só em setembro

 

 

 

 

São Paulo - O mercado de planos de saúde médico-hospitalares registrou, só em setembro, a perda de 164.400 clientes. Fechou o mês com 50,260 milhões de beneficiários - queda de 0,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

 

Os dados são do boletim Saúde Suplementar em Números, produzido pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (Iess) e que será divulgado na próxima semana. No terceiro trimestre de 2015, em relação ao trimestre anterior, a queda foi de 0,5% - o que representou a saída de 236.210 beneficiários.

 

"Avaliamos que, na comparação anual, que não sofre influência de efeitos sazonais como na análise trimestral, a queda de 0,3% representa uma quase estabilidade, o que demonstra a resiliência desse setor em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) e até ao nível de emprego", analisa Luiz Augusto Carneiro, superintendente executivo do Iess.

 

Já no trimestre, observa Carneiro, a queda foi mais acentuada e confirma o que já ocorria na soma dos três meses anteriores. Entretanto, segundo ele, não é possível afirmar que essa seja uma tendência, porque não se espera que a atividade econômica mantenha a intensidade de queda registrada nos últimos 12 meses.

 

De acordo com os números do boletim, na comparação anual, houve uma maior queda no total de vínculos de planos individuais. O total de beneficiários de planos do tipo caiu 1% em setembro, em relação ao mesmo mês do ano passado. Isso equivale a 87.500 vínculos a menos. No trimestre, a queda foi de 0,5%, ou 51.880 planos.

 

Na comparação anual, o total de vínculos com planos coletivos - aqueles pagos pelas empresas como benefício aos funcionários - permaneceu praticamente estável, com ligeira retração de 0,1% e desligamento de 47.300 beneficiários.

 

Aumento

 

Na contramão desse movimento, nos planos coletivos por adesão houve aumento de 0,6%, ou 39.700 vínculos. Por outro lado, na comparação trimestral, os planos coletivos por adesão também registraram queda, de 0,9%, a maior entre todos os tipos de contratação, com a saída de 61.090 beneficiários.

 

Isso demonstra, na visão de Carneiro, do Iess, que os planos coletivos por adesão podem estar perdendo fôlego. "Nossa hipótese é que os planos coletivos por adesão receberam, num primeiro momento, a migração de beneficiários de planos empresarias de trabalhadores que perderam o emprego. Entretanto, com o agravamento da crise financeira e o efeito sobre renda, é possível que os beneficiários de planos coletivos por adesão, independentemente do momento de ingresso, tenham dificuldade para conseguir manter seus planos, o que levou à saída de mais de 60 mil beneficiários", analisa.

 

A expectativa do superintendente executivo do Iess é de que o setor deve fechar o ano em queda, mas em proporção inferior à retração do Produto Interno Bruto (PIB) e do nível de emprego. "O plano de saúde é um benefício muito valorizado pelos funcionários das empresas. Então, é natural que, enquanto houver condições financeiras, os beneficiários e as empresas tentarão preservar esse benefício."

 

O executivo destaca ainda que a diminuição de beneficiários é proporcionalmente menor do que a queda do PIB. "Então, é de se esperar que o mercado sofra com a crise econômica, mas em intensidade menor do que outras áreas da economia."

 

O boletim Saúde Suplementar em Números é produzido pelo Iess a partir da atualização da base de informações da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Indústria corta descontos e preço do medicamento sobe neste ano

 

A inflação terá uma pressão a mais neste final de ano com a inesperada subida dos preços dos medicamentos para o consumidor.

 

Os reajustes no setor costumam se concentrar em abril, logo depois que o governo federal libera os aumentos, mas a alta chegará antes, segundo a indústria farmacêutica, devido à pressão de custos, como energia e água, e à valorização do dólar, que encareceu a matéria-prima importada.

Diretores de indústrias brasileiras e multinacionais admitiram que já cortaram o desconto oferecido a distribuidores e varejistas.

“Nos próximos 60 dias você vai ver que os descontos na porta da farmácia devem desaparecer. A conta vai para o bolso do contribuinte”, afirma Nelson Mussolini, presidente do Sindusfarma, sindicato que reúne as principais farmacêuticas do país.

Isso ocorre porque a concorrência entre empresas sempre estimulou a prática de descontos. Com a crise, porém, esse é um procedimento que está ficando para trás.

Pedro Bernardo, diretor da Interfarma, associação que reúne multinacionais, afirma que quase 90% dos princípios ativos usados nos medicamentos são importados.

“Quando o câmbio era favorável, a indústria adotava uma política agressiva de descontos porque a competição era muito forte. Enquanto o câmbio estiver neste patamar alto, é legítimo que a indústria vá ao distribuidor negociar e reduzir esse desconto.”

E o varejo não vai absorver esse aumento. “Isso será repassado para o preço. A farmácia não tem muita margem de manobra”, diz Sergio Mena Barreto, presidente da Abrafarma, associação que reúne grandes redes.

Setor amadurece e se volta a país mais idoso:

  • Investimento em prevenção corta custo de planos de saúde com internação de pacientes;
  • Brasil pode economizar R$ 5 bilhões ao ano com produção de medicamentos biológicos;
  • Plano de saúde foca em mercado carente e aceita apenas quem tem mais de 49 anos

O espaço para elevar preços é ainda maior entre os genéricos. Por lei, esse produto é obrigatoriamente 35% mais barato do que seu medicamento de referência. Na prática, porém, custa em média 50% menos. Alguns são até 85% mais baratos.

“A mobilidade e a força do desconto tendem a diminuir”, diz Telma Salles, presidente da Pró-Genéricos.

A inflação medida pelo IPCA de janeiro a setembro chegou a 6,44% para os medicamentos, bem superior ao registrado em todo o ano passado (4,93%).

As categorias que mais sofrem a alta neste ano são gastroprotetores (9,14%) e psicotrópicos (8,13%), ambos acima do índice geral da inflação (7,64%).

Eulina Nunes, coordenadora de índice de preços do IBGE, lembra que houve alta de 3,3% em abril e um pouco mais em maio, junho e julho.

Em agosto, com as vendas em baixa, a indústria apostou nos descontos e os preços recuaram 0,11%, voltando a subir em setembro.

Ainda assim, o reajuste de até 7,7% – que varia de acordo com a categoria – autorizado em março não foi totalmente repassado para o consumidor.

Desde a definição de uma política de controle de preços, em 2003, o teto dos valores de tabela determinados pelo governo não costuma chegar ao consumidor.

Fonte: Folha de S.Paulo (19/10/2015)

Clientes FB Associados


  • Spider Media    Comic-Landia    Stickers    Moca Mola

  • M.A.S.A    Bowlers    New York Girls    Casper's Hardware

  •             

Mapa do Site

Copyright © 2015 FB Associados

Desenvolvido por Oblinks - Desenvolvimento web

Últimas Notícias

Contatos:

Rua Dona Aurora Alegretti

Chácara Santo Antônio
São Paulo - SP

Cel: (11) 9.9687-3517
Tel: (11) 5641-7865

contato@fbassociados.com.br